segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Trump justifica comentário sobre Suécia com o que viu na televisão Fox News

Jag tycker att du Carl Bildt har rätt i, jag tror med att Donald Trump knarkar ( Penso que tu Carl Bildt tens razão. Eu também creio que Donald Trum fuma suruma)

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, clarificou o comentário que fez em relação à Suécia, durante um discurso na Flórida, justificando o equívoco com algo que viu na televisão Fox News.
“A minha declaração sobre o que se está a passar na Suécia era uma referência a uma história emitida na Fox sobre imigrantes na Suécia", escreveu na rede social Twitter, sem mais explicações.

“Olhem para o se passa na Alemanha, olhem para o que se passou ontem à noite [sexta-feira] na Suécia. A Suécia, quem haveria de pensar? A Suécia. Eles acolheram muitos refugiados e agora têm problemas como nunca imaginaram que iriam ter”, afirmou Trump, num discurso feito sábado, na Florida, durante o qual justificou a sua política anti-imigração.

Comissão Política do MDM acerta passo para II Congresso

A Comissão Política do MDM, segundo maior partido político da oposição nacional, está desde ontem reunida na cidade de Nampula, na sua VIª sessão ordinária.
Até ao final de hoje, aquele órgão magno do partido vai passar em revista a situação político-económica e social do país, bem como deliberar sobre as matérias que vão ser levadas à apreciação e discussão no II Congresso do partido, agendado para 5 a 8 de Dezembro próximo, na cidade de Nampula.
Na sua chegada a Nampula (sábado), Daviz Simango foi recebido por uma grande comitiva constituída por simpatizantes e membros do partido, com quem percorreu um percurso considerável da cidade, entoando cânticos de triunfo.
O líder do “partido do galo” considera a sessão em curso importante, tendo em conta que este é um ano “especial para o partido”.
“Teremos como agenda o II Congresso, vamos avaliar a situação política do país e, naturalmente, vamos avaliar aquilo que é a matriz do partido”, disse Simango, em conferência de imprensa, apontando a digitalização e informatização como parte das preocupações que deverão ser afloradas.
De acordo com Simango, com o calendário das eleições autárquicas de 2018 à vista, a Comissão Política do MDM vai “definir as directrizes” daquilo que pretende oferecer ao país durante os próximos pleitos eleitorais.
Homenagem às vítimas do Dineo
À margem da reunião da Comissão Política, o MDM prestou homenagem às vítimas do ciclone Dineo e deixou algumas críticas sobre alguma imprudência relativamente às crianças em idade escolar. “Manifestamos a nossa solidariedade. Sabemos que há vítimas, não só em Inhambane, assim como em Massinga. a grande preocupação que eu tenho é que há crianças que saíam da escola e acabaram por ser colhidas por esse vendaval”, disse Simango, deixando críticas às autoridades. “Houve falta de cuidado em criar condições para que essas crianças não fossem à escola”, referiu.

Fonte: O País – 20.02.2017

sábado, fevereiro 18, 2017

Sobre o apoio supostamente de Atanásio Marcos na Cidade da Beira

Infelizmente não vi a reportagem, mas estou seguindo vários posts e comentários aqui no facebook e estou a concluir que há muita coisa oculta nessa suposta solidariedade. Até aqui muitos não sabem se é apoio da TVM ou é do próprio individual. Lendo entrelinhas os comentários que o Atanásio Marcos faz no post da Linette Olofsson fica-se a saber que é uma oferta da TVM, mas que o próprio Atanásio personaliza. Aqui está um dos seus comentários:
“... eu sou Beirense e voltei para casa deixa-me apoiar os meus irmãos. Aonde está o mal?faça o mesmo aí no teu bairro. Sim antes não tinha como fazer,e agora estou em condições de fazer no âmbito da responsabilidade social da instituição que represento. Alguma dúvida?” (Atanásio Marcos in Linette Olofsson)

Dado isto podemos levantar aslgumas questões como: Sendo assim, quem vem separar as águas? Porquê tanto a TVM como o Atanásio Marcos nos deixam confusos? Será o uso de meios públicos para fins obscuros?

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Nom comment, but???

The cease fire continues to hold, and Renamo has resumed political activity in the central provinces of Sofala and Manica, with formal visits by Renamo delegations, including Renamo parliamentarians, to the provincial governors, Helena Taipo and Alberto Mondlane. Because of fears of a government hit squad, Renamo offices were closed and some officials hid in the bush. Several senior figures in the Sofala provincial structures returned to Beira and were presented at a public meeting there on 11 Feb. Renamo MP Manuel Pereira told the rally “We have talked with the Sofala governor and with the provincial police commander, and we have received guarantees that we can work without problems”. (AIM En 13, 10, 8, 7 Feb)


Source: MOZAMBIQUE
 359-60 News reports & clippings 14 February 2017

Há aldeias no país com mais telemóveis que latrinas, diz investigadora

A administradora do Voluntariado Internacional para o Desenvolvimento Africano (VIDA), Patrícia Maridalho, disse hoje que num inquérito a 59 famílias numa aldeia de Moçambique havia "110 telemóveis e 17 latrinas, o que mostra o muito que há por fazer".

O exemplo sobre as grandes assimetrias de desenvolvimento em África foi dado no final de uma conferência sobre 'Que caminhos para o Desenvolvimento Africano', que decorreu hoje na faculdade de Economia da Universidade Nova, em Lisboa.
O investimento na Educação e na formação dos líderes africanos foi um dos pontos que uniu os oradores, que consideraram que mais do que querer 'ajudar à força', importante é ouvir os africanos e saber o que eles precisam.
Outro dos exemplos dados sobre a vida real num continente onde "um em cada dois africanos vive na pobreza extrema, não consegue o mínimo de rendimento, não tem acesso a saúde e educação, e depois não tem acesso a emprego" foi dado por Paula Barros.
Esta directora do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua exemplificou que "muitas raparigas saem da escola não só porque têm de ajudar as famílias na agricultura e tratar dos irmãos mais novos, mas também porque as escolas não têm casas de banho nem há pensos higiénicos, e ao não os terem durante o período, não podem ir à escola, e por isso desistem de ir à escola, o que agrava a grande desigualdade entre rapazes e raparigas".
A forte utilização que os africanos fazem das novas tecnologias tem sido um dos temas tratados em várias conferências e artigos académicos, que salientam que este 'salto tecnológico' em que, por exemplo, há muitos telemóveis mas poucas linhas terrestres, fica bem expresso na forte utilização dos serviços móveis bancários e nas redes sociais no continente.
Fonte: LUSA – 17.02.2017

Países lusófonos em queda no Índice de Liberdade Económica à excepção da Guiné-Bissau

Todos os países de língua portuguesa pioraram no Índice de Liberdade Económica 2017, à exceção da Guiné-Bissau que subiu 26 posições, para o 119.º lugar do ‘ranking’ entre cerca de 180 economias analisadas.

O ‘ranking’ deste ano estabelece a seguinte hierarquia no universo lusófono: Cabo Verde (116.º), Guiné-Bissau (119.º), São Tomé e Príncipe (124.º), Brasil (140.º), Moçambique (158.º), Angola (165.º) e Timor-Leste (173.º).

Portugal caiu 13 posições para o 77.º lugar.

Macau conquistou a melhor colocação entre os territórios lusófonos – o português é uma das línguas oficiais, a par do chinês –, posicionando-se em 32.º, uma melhoria em relação ao 37.º lugar registado em 2016. Macau tem uma avaliação de 70,7 no grau de liberdade económica, a qual supera a pontuação média mundial, que é de 60,9 pontos.

O Índice de Liberdade Económica distribui os países por cinco secções: "livres" (80 a 100 pontos), "quase livres" (70 a 79,9), "moderadamente livres" (60 a 69,9), "maioritariamente não livres" (50 a 59,9) e "reprimidos" (40 a 49,9).

A maior parte dos países lusófonos está classificada como “maioritariamente não livre” – Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Brasil – enquanto Angola e Timor-Leste surgem listados como “reprimidos”.

Apesar da subida no 'ranking' da Guiné-Bissau, que passou da 145.ª (2016) para a 119.ª posição, o Índice de Liberdade Económica 2017 refere que as “limitadas tentativas de reforma estrutural geraram um progresso desequilibrado no desenvolvimento económico” do país, e que o dinamismo do setor privado continua constrangido...

... Em Moçambique, o relatório destaca que foram empreendidas "reformas para incentivar o desenvolvimento, embora o progresso tenha sido muito gradual", e que o "envolvimento do setor privado na economia é substancial, mas que a privatização das empresas estatais abrandou". Ler mais (Lusa – 17.02.2017)

Os bebés chorões

Canal de Opinião por Adelino Timóteo

Temos duas aristocracias: uma super-poderosa, outra detentora de mais elementa­res poderes, A primeira dispõe de amplos poderes, É uma aristocra­cia de esquerda, que por vezes se confunde com uma multinacional, pela complexidade da sua origem entre a oligarquia e um partido do­minante, mas é muito mais do que isso, A outra é de direita, A nossa aristocracia dominante é quem de­termina a marca "Made in Mozambique". A todos os níveis de vida: social, económica, cultural e política. E a mesma aristocracia que decide que tipo de embalagem se deve produzir e que tipo de rótulo é adequado, para consumo interno e externo, Decide que consciências compram, que consciências devem ser apagadas dos ficheiros, que consciências devem ser silenciadas,
A nossa aristocracia criou diferen­tes tipos de classes sociais, Há os acomodados sempre, os acomoda­dos incertos, os expurgados eternos e os repescados, Os filhos da nossa aristocracia são os meninos de seda.
Os acomodados sempre são aqueles que, embora não tenham lutado, fizeram algo para merecer honra­rias, pois ajudaram a consolidar a poder da aristocracia com o seu saber, pois estudaram na Europa do Leste, em Cuba ou no Ocidente, Os acomodados incertos são aqueles que, embora tenham feito algo pela super-poderosa aristocracia, ainda não provaram serem suficientemen­te leais para merecerem a confian­ça total da mesma aristocracia, por isso comportam-se como indivíduos da ralé, incluso por meio de insul­tos, estigmas e teorias exclusivistas, para demonstrarem lealdade aos donos da multinacional e levá-los a abrirem os cordoes às bolsas.

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Munícipes zangados com adiamento do Carnaval em Quelimane

Jovens representantes dos grupos foliões amotinaram-se, ontem, em frente ao Conselho Municipal de Quelimane para reivindicar o adiamanto do carnaval. O desfile de carnaval iria decorrer de 17 a 26 deste mês, mas foi adiado devido ao luto de três dias decretado em homenagem às vítimas do naufrágio ocorrido no rio Chipaca a 12 de Fevereiro.   
Os descontentes afirmam que o adiamento do carnaval os prejudica pelo facto de terem gasto muito dinheiro nos preparativos para a celebração.
“Nós contraímos muitas dívidas no bairro, confiávamos no valor que seria cedido pelo município, com este adiamento não sabemos como iremos fazer para arcar com as dívidas. Estamos a ficar com uma reputação no bairro”, disse José Pedro, representante do grupo Novos Talentos.

Morreu homem queimado com óleo de cozinha pela esposa

Homem queimado com óleo de cozinha e petróleo, supostamente pela esposa, perdeu a vida na manhã de hoje no Hospital Central de Maputo. A Vítima deu entrada na unidade sanitária, nos serviços de cirurgia, com lesões graves em grande parte do corpo.
O crime teria acontecido minutos depois de uma discussão entre o casal. Segundo relato dos vizinhos, a vítima foi encontrada no quarto do filho depois de ter pedido por socorro.
A acusada de cometer o crime foi presa e encontra-se detida. A atitude da mulher é um crime de violência doméstica associada à tentativa de homicídio.

Fonte: O País – 16.02.2017

RDC: EXIGUIDADE DE FUNDOS INVIABILIZA ELEICOES PRESIDENCIAIS

O governo da República Democratca do Congo (RDC) anunciou, quarta-feira, que não vai poder convocar, ainda este ano, as eleições presidenciais, devido a exiguidade de fundos.
O Ministro congolês do Orçamento, Pierre Kangundia, disse que o custo pela organização da votação ascende a 1,8 mil milhão de dólares, valor que está aquem das disponibilidades financeiras do país.
O governo congolês e a oposição chegaram, o ano passado, a um acordo sobre a realização de novas eleições, em finais deste ano.
O mandato do Presidente do RDC, Joseph Kabila, terminou em Novembro de 2016. Os seus oponentes acusaram-no de deliberadamente protelar a votação para ainda se manter no poder.
O plano para a convocação das presidenciais antes de finais de 2017 reduziu a onda de tensão entre o governo e a oposição, no país.
A Comissão Eleitoral anunciou em Novembro de 2016 que precisava de pelo menos até Julho deste ano registar mais de 30 milhões de eleitores.
Entretanto, a morte do líder oposicionista, Etienne Tshisekedi, ocorrida ainda este mês, preocupa o futuro político do país.
A RDC nunca efectuou uma transferência pacífica da liderança, desde a independência, em mais de 55 anos. Kabila lidera o país desde 2001, após o assassinato do seu pai, Laurent Kabila. Ganhou duas eleições e a constituição interdita-o a concorrer para um terceiro mandato.

Fonte: AIM – 16.02.2017

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

Dineo poderá ser sentido em Maputo, Nampula, Sofala e Zambézia, Manica e Tete

O ciclone Tropical Dineo, que está a fustigar a regiões costeiras das províncias de Inhambane e Gaza desloca-se em direcção ao interior da província de Inhambane a uma velocidade de 19 km/hora. A província de Gaza também deverá sentir nesta quarta-feira(15) chuva forte(mais de 150 mm/24h) acompanhada de trovoadas e ventos fortes (acima de 120 km/hora). Chuvas e ventos moderados a fortes poderão ser sentidos, a partir da noite, nas províncias de Maputo, Nampula, Sofala e Zambézia ao longo da costa e interior de Manica e Tete.
Um comunicado do Instituto Nacional de Meteorologia(INAM) alerta que "este sistema poderá influenciar o estado de tempo nos distritos de Morrumbene, Jangamo, Inharrime, Panda, Homoíne, Vilankulo, Maxixe, Massinga, Zavala, Govuro, Mabote, Funhalouro, Inhassoro e cidade de Inhambane(na província de Inhambane) e nos distritos de Mandlakazi, Xai-xai, Chibuto, Guija, Massingir, Bilene, Guijá, Chokwe , Mabalane, Massangena, Chigubo e Chicualacuala(na província de Gaza).
Os efeitos deste Ciclone de categoria 4 (chuvas em regime moderado e ventos moderados a fortes) serão também sentidos nos distritos de Magude, Manhiça, Marracuene, Moamba, Namaacha e cidades de Matola e Maputo(na província de Maputo) a partir da noite do dia 15 de Fevereiro.
Também poderão ser afectadas as províncias de Nampula, Sofala e Zambézia ao longo da costa e interior de Manica e Tete com chuvas moderadas (30 a 50mm em 24 horas) e ventos até 60Km/h, com um impacto menor, devido ao efeito conjunto do Ciclone Tropical e da Zona de Convergência Inter Tropical que favorece a grande instabilidade atmosférica. Ler mais (@Verdade – 15.02.2017)

Jorge Ferrão nega ter inibido uso de minissaias nas escolas moçambicanas

O antigo ministro da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH), actualmente reitor da Universidade Pedagógica (UP), Jorge Ferrão, diz que em nenhum momento proibiu o uso de mini-saias nos estabelecimentos do ensino público moçambicano, assunto que gerou pandemônio e debate na sociedade.
Por conta desta situação, uma cidadã de nacionalidade espanhola, Eva Anadon Moreno, foi humilhantemente detida e deportada 30 de Março do ano passado, por participar, na companhia de outras cidadãs, numa reunião pública cujo fim era reivindicar o término da violência contra a rapariga nas escolas.
Na altura, algumas correntes intenderam que Eva Moreno e as mulheres na sua companhia contestavam a decisão, supostamente do MINEDH, que obrigava as alunas a abandonar o uso de saias cuja bainha fica bem acima dos joelhos.
Aliás, a confusão não parou por aí, a magistrada Benedita Langa foi também presa no Aeroporto de Mavalane quando tentava evitar a deportação de Eva Moreno, pois considerava-se a sua expulsão do país ilegal, facto que, mais tarde, foi corroborado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), ordenando a realização de um inquérito cujo desfecho ainda é publicamente desconhecido.

Detido por obrigar a esposa a prostituir-se

Um cidadão de 29 anos, cujo nome não foi revelado, encontra-se detido desde ontem, na quinta esquadra da Polícia na Machava, Município da Matola, província do Maputo, acusado do crime de lenocínio.
Segundo Emídio Mabunda, porta-voz da Polícia da Republica de Moçambique (PRM) no Comando provincial de Maputo, o homem obrigava a esposa a prostituir-se para ganho próprio.
Emídio Mabunda disse que a vítima foi encaminhada ao hospital a fim de ser observada.
O crime foi denunciado por um membro da família do casal, o que culminou com a detenção do indiciado.
Em Moçambique, este tipo de crime é punido com uma pena de 2 a 8 anos de prisão.

Fonte: Jornal Notícias – 15.02.2017

As explicações que faltavam

Dois anos após a invasão militar à casa do líder da Renamo, Afonso Dhlakama, na rua das Palmeiras, na cidade da Beira, Lourenço do Rosá- rio dá a sua versão dos factos. Ano passado, Do Rosário concedeu uma entrevista ao SAVANA, tendo declinado tecer qualquer comentário sobre o assunto.
No entanto, esta semana, o SAVANA voltou à carga e o reitor d´A Politécnica entendeu ter chegado o momento de contar a história. Lembrou que, depois da emboscada que Dhlakama sofreu a 25 de Setembro de 2015, em Gondola (Manica), que o fez regressar às matas, houve contactos entre o Governo e a Renamo no sentido de viabilizarem a saída do líder da Renamo das matas da Gorongosa.
Nisto, conta o antigo mediador da paz, que foi contactado pela delegação da Renamo para integrar a equipa que iria testemunhar a saída de Dhlakama. De seguida, diz ter contactado o Governo para transmitir esta informação, uma vez que era chefe da equipa dos mediadores nacionais.

Em resposta, o então chefe da delegação do executivo e ministro da Agricultura, José Pacheco, tomou nota da comunicação e mandou que se preparassem e que seriam acompanhados por uma delegação militar do Governo chefiada pelo coronel Norton e outra da Renamo dirigida pelo falecido coronel José Manuel. Chegados ao local no interior das matas da Gorongosa, encontraram Dhlakama e com ele saíram até à cidade da Beira, local onde os mediadores se despediram, referindo que dia seguinte estariam de regresso a Maputo.

terça-feira, fevereiro 14, 2017

O PÁROCO DE SÃO JOSÉ EM NAMPULA PEDE DESCULPAS E PERDÃO AO AMURANE PELOS DIZERES NÃO CORRECTOS E DIFAMÁTORIOS AO EDIL


Município decreta três dias de luto após naufrágio no rio Chipaca

O Município de Quelimane, na província da Zambézia, centro do país, decretou, desde segunda-feira, três dias de luto pelas vítimas do naufrágio que, no sábado, matou cinco pessoas no rio Chipaca, segundo um comunicado enviado esta terça-feira à Lusa.
“ [O Município quer] solidarizar-se para com as famílias enlutadas e com os munícipes em geral, assumindo o compromisso de criar as condições necessárias para a estabilidade dos afectados”, refere o comunicado, assinado pelo autarca de Quelimane, Manuel de Araújo.
A embarcação, que seguia com mais de 30 passageiros no rio Chipaca, fazendo a ligação entre as duas margens, terá embatido numa estrutura que fazia parte de uma ponte já destruída há alguns anos.

segunda-feira, fevereiro 13, 2017

PROCESSO DE PAZ: PRESIDENTE NYUSI REÚNE-SE COM LIDERANÇA DO MDM

O Presidente Filipe Nyusi reuniu-se hoje, em Maputo, com Daviz Simango, Presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), tendo como agenda os últimos desenvolvimentos do processo de paz, no país.

Falando momentos após o encontro, Simango disse, a jornalistas, ser importante que o MDM esteja a par dos passos que tem sido dados e, particularmente, compreender melhor as iniciativas levadas acabo pelo Chefe do Estado moçambicano sobre este processo.

O encontro, segundo o líder da segunda maior força política da oposição com representação parlamentar, serviu de oportunidade para de uma forma clara e directa sabermos dos contactos que o Chefe de Estado tem mantido com o líder da Renamo, Afonso Dhlakama.

Até soubemos que teve mais um contacto esta manha
, afirmou Simango.
Olhamos para isso com muita satisfação porque como partido político com representação parlamentar temos que nos comunicar com os moçambicanos sobre o processo, disse Simango.

A Frelimo e o perigo dos neutros para as eleições de 2018

Sempre que a ordem pública é perturbada, aparece – a lavar as mãos como Pilatos – colocando-se fora da contenda, uma fauna especial que é, de todas as faunas que por essas ocasiões se manifestam, a mais antipática, por ser a mais calculista e a mais comodista. É a chamada NEUTRALIDADE dos que não se batem nem pró nem contra, para, no momento próprio, fazerem dominó para os dois lados! Em todas as contendas há neutrais. Houve-os já entre 1962-1974, 1976-1992 e em 2008. Classes que tinham por obrigação erguer-se em pé de guerra para a defesa do regime e organizações políticas que as mantinha e engordara ficaram quietas como ninhadas de ratos espavoridos, a ver em que as coisas davam. Liquidado o pomo do conflito que negociadores comandados por heróis à feição antiga, resolveram em Lusaka, em Roma e na Beira, batendo-se como leões em defesa da sua causa, os neutrais de então foram os primeiros a aderir, calculadamente. Declararam-se pro-frelimistas, pro-renamistas e pro-MDMistas. Da sua atitude sem classificação tiraram, esses elementos passivos, todos os proveitos, enquanto os verdadeiros sacrificados eram afastados. Ler mais (Os Factos e a Verdade - 13.02.2017)

Kroll pede mais tempo para concluir auditoria às dívidas da EMATUM, Pro Indicus e MAM

O auditor das dívidas da EMATUM, Pro Indicus e MAM, a empresa britânica Kroll Associates UK, solicitou mais tempo para concluir o processo.
O documento deveria estar pronto no final deste mês, mas a Kroll pediu a extensão do prazo para 31 de Março próximo.
"Porque estas diligências de recolha e tratamento da informação são complexas e ainda estão em curso, no país e no estrangeiro, envolvendo mecanismos de cooperação internacional, com o auxílio da PGR, o auditor solicitou mais tempo para a conclusão da auditoria", consta de um comunicado divulgado há pouco pela Procuradoria-Geral da República. 

Fonte: O País – 13.02.2017

Governo angolano encerra escola turca

Director da escola desconhece as motivações

O Governo angolano ordenou na passada sexta-feira, 11, o encerramento do colégio Esperança Internacional, vulgo “Colégio Turco de Luanda”, mas até ao momento nem a direcção nem os pais e encarregados de educação forma informados dos motivos da decisão.
O Executivo deu ainda aos responsáveis do colégio cinco dias para o país.
O Presidente turco Recep Tayyip Erdoğan pediurecentemente aos governos de Moçambique, África do Sul e Tanzânia para caçarem terroristas em referência às escolas pertencentes ao turco exilado nos Estados Unidos Fethullah Gülen, a quem Erdoğan acusa de estar por trás do golpe de Estado fracassado de Junho passado.
O colégio Esperança Internacional encerrou as portas, desde que em 2008 Angola e Turquia celebraram um acordo comercial de cooperação técnica e económica.
A instituição, com mais de 700 alunos, poderá reunir na terça-feira, 14, com os pais e encarregados de educação para traçar os destinos dos estudantes, segundo uma fonte do Ministério da Educação.
Mustafa, responsável daquela unidade escolar, diz desconhecer se o problema é político ou não.
“Pode ser alguma coisa politica mas nós não sabemos”, disse à VOA.
O coordenador executivo do Movimento de Estudantes Angolanos (MEA), Miguel Kimbenze, condena a decisão do Governo angolano que chamou de “musculosa” e afirma que a sua organização está a encetar contactos junto do Ministério da Educação para saber as verdadeiras razões do encerramento do colégio.

MDM diz que Amurane foi infeliz ao acusar partido de perseguição

“O MDM pretende denegrir o presidente Amurane, justamente porque não compactua com a corrupção”. Foi com estas palavras que o edil de Nampula, Mahamudo Amurane, acusou o seu partido de perseguição e calúnia. As palavras do membro da Comissão Política do MDM e presidente do Município de Nampula caíram mal dentro do núcleo duro do partido. Após uma reunião dirigida por Daviz Simango este domingo, em Maputo, o MDM veio separar as águas. Os dizeres do também membro da Comissão Política do MDM caíram mal dentro do núcleo duro do partido. “Não temos dúvida de que a forma como o nosso colega apresentou os seus argumentos não deixou de ser infeliz, porque acusou o MDM no seu todo”, disse Silvério Ronguane, membro do MDM e deputado da Assembleia da República por este partido, que falava após uma reunião dirigida por Daviz Simango, ontem em Maputo.

Presidente da República vai passar a informar Daviz Simango sobre desenvolvimentos do diálogo político

O Chefe de Estado e o líder do MDM mantiveram, hoje, um encontro, na Presidência da República, onde a tónica das discussões foi a paz.
E porque o presidente do MDM entende que o diálogo político não deve envolver apenas o Governo e a Renamo, Filipe Nyusi e Daviz Simango acordaram que o líder do MDM vai passar a ser informado dos desenvolvimentos das conversações de forma periódica.
O presidente do MDM disse, semana passada, que o novo modelo do diálogo político não ia produzir resultados porque, no seu entender, fugia dos pontos essenciais que podem devolver a paz aos moçambicanos.
Esta é resposta à reivindicação do MDM em participar nas discussões sobre a paz.

Fonte: O País – 13.02.2017